Roteiro reúne as principais queijarias reconhecidas e premiadas do Estado.Na fazenda de Maristela Nicolellis, o leite usado na queijaria vem das vacas da raça simental. A produção diária é de 450 litros. Uma das etapas mais importantes ocorre na câmara de maturação. Alguns queijos chegam a ficar meses e até anos.

A temperatura tem que permanecer em torno de 13 graus. A produtora diz que o processo de maturação em espaço aberto é muito importante e faz grande diferença em relação aos queijos que ficam em ambiente fechado.

Ao todo, 13 tipos de queijos são produzidos na fazenda, alguns criados no próprio local. O queijo tropeiro é um exemplo. Ele é coberto com cinza vegetal e homenageia os antigos tropeiros que no passado cruzaram o Interior Paulista. Ele já tem até medalha de outro em concurso.

O sabor desse queijo passa por Joanópolis, Caçapava, Amparo, Porangaba, Jacupiranga, Itapetininga, São João da Boa Vista, São José do Rio Pardo, Pardinho e Porto Feliz. A ideia é mostrar aos visitantes um pouquinho mais das fazendas e da produção dos queijos.

Em Porangaba, a fazenda que participa do grupo, cria vacas holandesas. São 900 litros por dia. A fazenda é uma das mais novas no caminho do queijo. Ana Carolina Gil e o marido entraram no ramo há poucos meses.

Quem visita a fazenda, além de conhecer o processo artesanal, passa pela casa de maturação, construída no meio da mata. Segundo Ana Carolina, a vegetação ao redor ajuda com os microorganismos vivos que são importantes para uma boa qualidade do queijo.
www.caminhodoqueijopaulista.com


Fonte: G1 e Jornal do Sábado

Pequenos produtores rurais se unem e criam Caminho do Queijo Artesanal Paulista

Roteiro reúne as principais queijarias reconhecidas e premiadas do Estado.Na fazenda de Maristela Nicolellis, o leite usado na queijaria vem das vacas da raça simental. A produção diária é de 450 litros. Uma das etapas mais importantes ocorre na câmara de maturação. Alguns queijos chegam a ficar meses e até anos.

A temperatura tem que permanecer em torno de 13 graus. A produtora diz que o processo de maturação em espaço aberto é muito importante e faz grande diferença em relação aos queijos que ficam em ambiente fechado.

Ao todo, 13 tipos de queijos são produzidos na fazenda, alguns criados no próprio local. O queijo tropeiro é um exemplo. Ele é coberto com cinza vegetal e homenageia os antigos tropeiros que no passado cruzaram o Interior Paulista. Ele já tem até medalha de outro em concurso.

O sabor desse queijo passa por Joanópolis, Caçapava, Amparo, Porangaba, Jacupiranga, Itapetininga, São João da Boa Vista, São José do Rio Pardo, Pardinho e Porto Feliz. A ideia é mostrar aos visitantes um pouquinho mais das fazendas e da produção dos queijos.

Em Porangaba, a fazenda que participa do grupo, cria vacas holandesas. São 900 litros por dia. A fazenda é uma das mais novas no caminho do queijo. Ana Carolina Gil e o marido entraram no ramo há poucos meses.

Quem visita a fazenda, além de conhecer o processo artesanal, passa pela casa de maturação, construída no meio da mata. Segundo Ana Carolina, a vegetação ao redor ajuda com os microorganismos vivos que são importantes para uma boa qualidade do queijo.
www.caminhodoqueijopaulista.com


Fonte: G1 e Jornal do Sábado
Continua depois da Publicidade
 Clique para acessar o site da Varanda Italiana
0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário