-- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE --
Foto de 1949 - O governador do Estado de São Paulo, Adhemar de Barros visita A Pauliceia
Confirmando sua condição de ponto convergente de toda sociedade de Espírito Santo do Pinhal, o Bar e Restaurante A Pauliceia assiste a um bizarro encontro.

Por: J. Oswaldo Cardoso
Extraído do site: O Leitor Pinhalense


Desde sua fundação, em 1893, o nosso querido Bar e Restaurante Pauliceia tomou para si as atenções da sociedade pinhalense. Logo nos primeiros anos de vida, funcionava numa das portas frontais da casa uma agência do Banco Francês e Italiano para a América do Sul. Mas a matriz do banco não queria que seu proprietário e fundador, Pedro Monici, tivesse um estabelecimento comercial. Foi assim que o conhecido Zeca Avelino (José Avelino da Silva) se tornou proprietário do A Paulicéia.
Foto antiga - Bar e Restaurante A Pauliceia
A fama de principal ponto de encontro da cidade, de reduto das pessoas bem informadas e de negociantes de toda natureza se deve em boa medida ao espírito que Zeca Avelino imprimiu ao bar. Nas décadas seguintes, para lá seriam atraídas personagens que entraram para a História da pacata Espírito Santo do Pinhal.

Beber café, cachaça, dar uma pitada no fumo de corda ou no cigarro, prosear sobre todos os assuntos e em especial sobra a vida alheia, observar as mulheres bonitas (e as feias também, posto que se tratava de reduto masculino) era o cotidiano daquele templo da sociedade pinhalense. Não raro as situações inusitadas tomavam de assalto o estabelecimento então dirigido por Avelino.

Por duas vezes o governador do Estado de São Paulo, Adhemar de Barros, e seus assessores estiveram na outrora gloriosa Pinhal, conhecida por seu especial café e pelos barões que fixaram residência no centro da cidade.

A primeira em 1939 e a outra em 1949. A data da foto que ilustra este texto é incerta. Talvez 1949.

Em qualquer um dos dois anos em que o fato tenha acontecido, a autoridade político-administrativa mais alta do estado paulista não poderia passar pelo município sem que ao menos desse uma paradinha para um cafezinho naquele que era também um espaço onde se fazia muita política.

E lá foi Adhemar, com aquelas calças acima da cintura, barriga proeminente e um ar grave e austero, que impunha autoridade sem falar uma única palavra, alternado com a expressão de “não sei o que estou fazendo aqui”. Depois de beber o genuíno café de Espírito Santo do Pinhal, feito minutos antes especialmente para deleite do governador, saiu da Paulicéia e foi ter com o povo.
Já no meio da rua que separa o bar da Praça da Independência, Adhemar de Barros se depara com uma pequena multidão de pessoas do povo. Naquele aglomerado humano, se destaca a figura de Walter Mozzaquatro, com uma corda na mão. No final daquela corda, uma pacata vaca leiteira, já sentada com o traseiro no paralelepípedo do calçamento.

Ante o inusitado da cena e certamente não querendo hostilizar um potencial eleitor, Adhemar preferiu encarar o fato como uma normalidade. Sua reação foi tão amistosa, tão simpática para todos que presenciavam sua passagem por Pinhal, que o governador concordou até mesmo que fosse tirada uma foto, única forma de deixar registrado para sempre esse momento de interação política entre a fauna pública e a particular.

Veja o vídeo de uma das visitas realizada em 1940 pelo Governador