-- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE --
Jovens podem responder na justiça por ofender PMs nas redes sociais
Especialistas afirmam que a sensação de anonimato que a Internet proporciona é falsa, e o usuário que ofender poderá sofrer consequências jurídicas.

Espírito Santo do Pinhal - Após serem xingados e ofendidos através do Facebook, PMs de Pinhal podem processar quem postou e compartilhou a publicação que questionou e ofendeu a ação da PM no último domingo(30).

Leia também: Polícia Militar de Pinhal ministra palestra para jovens atiradores do Tiro de Guerra


As postagens foram feitas na noite de domingo(30) de setembro – horas após a PM utilizar bombas de efeito moral para dispersar o público que causou tumulto e obstruiu a via após a festa do vestibular da UniPinhal.

Nas redes sociais, jovens postaram vídeos e fotos da PM agindo durante a confusão. O texto dos jovens criticou e ofendeu a atitudes dos policiais de Pinhal que participaram da ação.

Redes Sociais, um espaço de direitos e deveres
A falsa sensação de anonimato que a Internet proporciona faz com que muita gente poste “como se não houvesse amanhã”, sem poupar nos insultos contra o que os não agrada. A coordenadora do canal de ajuda da Organização Não Governamental (ONG) SaferNet, Helpline, Juliana Cunha, enfatiza, no entanto, que a rede não é um universo paralelo. Mesmo que a postagem, o compartilhamento ou diálogo seja anônimo e mediado pelo computador, isso não significa que o usuário não será identificado. Quem omitir uma opinião que se configure como crime, vai responder por isso. “A Internet é um espaço de direitos e de deveres e a gente precisa usar esse ambiente com cidadania”, enfatiza Juliana.


O que fazer
- Tire prints de tudo o que foi divulgado, anote data e salve o link onde está o material em questão;
- Não responda às ofensas;
- Salve todo o conteúdo e faça Boletim de Ocorrência em uma Delegacia de Polícia;
- Não apague mensagens/imagens/publicações eventualmente recebidas. Esse conteúdo poderá ser usado como prova em um futuro processo;
- Procure um advogado ou defensor público para avaliar o que pode ser feito.