-- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE --
Polícia investiga suposto caso de agressão após jovem fugir de blitz em Andradas
Rapaz tem 17 anos e teve oito dentes quebrados e vinte e oito pontos no lábio superior.

A Polícia Civil de Andradas (MG) investiga um suposto caso de agressão contra um jovem de 17 anos. Ele diz ter sido agredido por guardas municipais no sábado (17) à noite depois de fugir de uma blitz da Polícia Militar.

O adolescente subia uma avenida quando viu a blitz. Por não ter carteira de habilitação, ele voltou e começou a descer na contramão, mas acabou surpreendido por vários guardas municipais.

“Eles saíram na minha frente, me deram uma paulada que pegou na cabeça, uma no queixo e uma que pegou nesse braço aqui”, diz o adolescente.

O rapaz teve oito dentes quebrados e vinte e oito pontos no lábio superior. “Quebrou a viseira do meu capacete, quebrou a aba do meu capacete, a queixeira. Quebrou tudo. E até com capacete, com o que acertou, quebrou a maioria dos meus dentes”, afirma.

Os pais do adolescente reconhecem que o filho errou, mas estão indignados com a violência.

“Ele não deveria nem ter pegado a moto, de maneira nenhuma, porque ele é menor, tem 17 anos, não tem habilitação, não pode fazer isso. Pegou a moto escondido aqui, porque a gente estava em um culto religioso. Mas o que revoltou a gente foi a violência que foi aplicada no rosto dele”, diz Clayton Roberto da Silva, pai do adolescente.

A polícia militar afirma que a blitz era para fiscalizar motociclistas. Segundo o sargento Saulo Guedes Lima, depois de fugir pela contramão, o adolescente jogou a moto contra um dos guardas.

“Ele simplesmente se protegeu pulando ao solo e estava com o bastão tonfa na mão. Então não dá para afirmar que a lesão que o condutor alega ter sofrido seja proveniente do guarda municipal. Pode ter sido proveniente de outro acidente ou de outra circunstância, então não tem como a gente afirmar essa situação”, afirma.

O prefeito de Andradas, Rodrigo Lopes, se manifestou em uma rede social e disse que a prefeitura tem uma corregedoria para analisar condutas indevidas de guardas. Disse ainda que o caso será rigorosamente apurado e que se for constatado excesso ou abuso de autoridade, medidas de punição serão tomadas.

A Polícia Civil diz que vai tentar imagens de câmeras de segurança próximas ao local onde aconteceu a agressão para apurar o ocorrido.

Fonte e foto G1 Notícias