-- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE --

População cobra e vereadores pedem explicações ao poder executivo

Pessoas que precisam de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) enfrentam uma verdadeira batalha pela vida na rede pública de saúde de Pinhal. Isso porque, os leitos de UTI previstos para serem inaugurados ainda este ano, continuam parados, aguardando a contratação da equipe multidisciplinar.

Espírito Santo do Pinhal já tem disponível R$ 1 milhão do orçamento municipal, alem de R$ 450 mil oriundo de emenda impositiva do deputado estadual Barros Munhoz (PSB). Estes valores tem como finalidade a contratação de médicos, técnicos e enfermeiros que irão gerenciar os leitos de UTI.

Segundo o vereador e presidente da Câmara Municipal, José Gilberto Viola (PSDB):

Em contato com o médico responsável pela UTI de Itapira (SP), do Hospital 22 de Outubro em Mogi Mirim (SP) e de um Hospital em Campinas (SP), o mesmo de forma sintética informou que o custo para iniciarmos com 4 leitos é de R$ 100 mil parte médica, R$ 10 mil 4 técnicos e R$ 20 mil 4 enfermeiras. Total de R$ 130 mil por mês. Se dividirmos R$ 130 mil por 4 leitos, teremos R$ 32 mil por leito, portanto os 10 leitos terão um custo aproximado de R$ 325 mil/mensais, em que o CROSS (Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde) paga em torno de R$ 800,00/dia por leito, R$ 8 mil/dia por 10 leitos e R$ 240 mil por mês. Uma defasagem de aproximadamente R$ 80 mil/mês para a manutenção de uma UTI com 10 leitos


Em um vídeo compartilhado nas redes sociais, o vereador licenciado e atual Secretário Municipal de Saúde, Jhonny Laurindo (PSD) disse que:
se os R$ 450 mil chegassem amanhã o funcionamento da UTI iria acontecer no outro dia.

O Portal de Pinhal apurou que, os R$ 450 mil já estão disponíveis na conta do Hospital desdo dia 4 de novembro. A Secretaria Municipal de Saúde ainda não se pronunciou sobre o caso.